terça-feira, 14 de setembro de 2010

domingo, 11 de julho de 2010

o ca.lei.doscópio do ela



Entre o que Há ganhou espaço na Revista online a Lagarta.


Esse mês a versão mini livro do ca.lei.dosópio do ela está no ar na página 47.


Confiram o texto inédito em:





A Lagarta Magazine é uma revista filhote do conceito de 'brainstorming', cheia de produções artísticas que vão de editorias, fotografias, videos, textos, ilustações e música. Curtam as páginas no conforto dos seus mouses.

Até lá!

sábado, 26 de junho de 2010

a story of O.

O.
tune numa diferente frequência chia o sol (g)
desce devagar e se aproxima de um lá(r)
esse velocipede tem quatro rodas com lâmpadas amarelas nas pontas.

O.
em cima dele a pedalada entre A. estrela e a Terra é leve
como andar de cavalo na casa do campo
e encontrar uma lebre
O.

sobe desce
sobe desce

O.
dentro dele
dentro dela

quinta-feira, 17 de junho de 2010

cor Vadia

Sr. R. (Erre) Flutuando,

Pelo amor a desgraça, pendure-se no fio dental mentolado e escorregadio no canto do nicho dos escorpiões, se balance até cansar e então posicione-se rígido na mira dos ferrões. Fique nu e jamais utilize seu juízo. Gire veloz sem rumo e obedeça a todos os sinais que te violem. Quando a culpa der um tapa na sua testa, gargalhe, mas não se esqueça de engolir os sapos rápido e a seco, que é pra não soluçar. Invariávelmente abuse do outro e emepenhe-se com afinco para que este sinta-se especialmente descartável.
Caso não saiba, o bréjo é sempre opaco e se aqui tem rabo é pra comer.
Esteja constantemente desatento, contudo lembre-se de seu lema:

Você não Se pertence!

Tenha uma excelente estadia na incomparável Terra da Covardia e retire seu atestado timbrado de Frouxo na Casa da mãe Anônima,
Rua Falta de Vergonha na Cara,
número ½.

O povo sem alma agradece.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

poeZia

De dentro pra fora vem o nada que restou. Vem a ressaca chacoalhada de tudo aquilo que nunca é, que nunca foi, e que provavelmente nunca será. De dentro pra fora vem o vômito, vem o catarro, vem todo tipo de merda. De dentro pra fora vêm os sentimentos, as idéias, as alucinações. As maluquices, as lágrimas, as paixões. Vêm o suor, a saliva, o desejo, vem a foda. Então existe a criança, que veio de dentro, pra fora, pra de novo dentro, pra de novo fora. Veio simplesmente pra ser. E você aí, bem dentro de si, tão fora do eu, perguntando o por que.

domingo, 9 de maio de 2010

domingo, 2 de maio de 2010

boa noite

Esse é o sono de santa que só vem naqueles braços. E naquele escuro, no escuro daquele colchão. Luz que adormece junto ao barulho dos ônibus passando vazios durante a madrugada, os mesmos que freiam naquele exato ponto, embaixo daquela janela, pra quem sabe, ela levar.
Por lá, onde o céu e a terra perdem a cor, o cheiro é de mata queimada. Os rios são de sangue e a saliva é bote pra almas de leões.
Por lá, o som de respiração ofegante passa fino por entre as carcaças e 4 vaga-lumes azuis se buscam pra dançar num ritual sem lua.
Ele beija na boca como se o mundo fosse acabar. Rosna o orgânico laranja e jorra quente possibilidades de futuro.
Ela fode fêmea do seu homem. É estrela de uma constelação de anjos e demônios beberrões. Pequena, é pérola querendo concha com gosma de proteção.
Juntos, são o nada sendo o tudo que o nada é.
Juntos, são o tudo sendo o nada que o tudo é.
Esse é o sono de santo que só vem naqueles braços. E naquele escuro, no escuro daquele colchão. Luz que descansa junto ao barulho dos ônibus passando lotados durante a madrugada, os mesmos que freiam naquele exato ponto, embaixo daquela janela, pra quem sabe ele levar.

sábado, 1 de maio de 2010

alice

De cara limpa. Pretensão: viver. Fui! Os olhos negros perturbados perturbaram o perturbado exaltado. E viu quem tinha que ver. Sem dados pra tirar na sorte, tiro do bolso um botão. Quem sabe me costuro em algum lugar, ... mas frouxo, que é pra gozar também na adrenalina da queda. Do chão no passa. Do chão veio. Por hora, deixa no mudo, e confia. Um dia os lábios rosados vos contarão sobre a prega do alfinete e da linha.

ALI cê.

quarta-feira, 28 de abril de 2010

palato de erva.

Não me de avelãs, seu cheiro muda tudo. Mas se o fizer, encaixe a ponta da agulha na vitrola velha e tudo há de dar certo. Caso não dê, tudo bem, as vezes as coisas ficam mesmo sujas. Sua, sem salto, e sem pinturas vermelhas no rosto. Durante a noite Adão brinca de ver Eva florescer.

terça-feira, 27 de abril de 2010

bem assim

Quanto mim, que moro nos seus fios, deslizo macio por entre os nós que o vento da correria da. E te sinto sem fim. Sem meio e muito menos sem começo. Quase sem amor, respiro a tua praia e choro encolhida na tua areia. Sem dor, corro no teu quarto e mergulho no teu chuveiro azul. Escorro quente feito o leite da mãe vaca; do pai cavalo. Quase gota de orvalho numa manha de sol. Então escolho, vôo pra longe de tudo, e pra perto de ti.

Lisa Hannigan complementa o texto em Ocean and a Rock. Linda Musica. Recomendo.

sábado, 24 de abril de 2010

uvas verdes com sementes

Corpo esgotado. Um corpo exaurido nas suas condições físicas. A graxa da bicicleta sai agora da canela,no banho de mais cedo, não. Os estímulos estão por toda parte; viras pro lado e veras. Por hora, sem muitas perguntas, eu quero ser paga. E bem paga, diga-se de passagem. Quero explodir mais onde alguns já conseguem gozar. Agora. Entrando com o dedo mindinho que é pra manter os pés no chão. Possibilidade real de Barcelona.

quinta-feira, 22 de abril de 2010

no dia de sempre

E de repente você entra ali, de onde veio. fica surdo das bobeiras. No ventre da Terra muito sal, muitas conchas, muita areia. A maré vermelha anuncia o fim de um ciclo. O pó dourado e mais grosso vem a superfície quando as águas geladas se movem por entre as valas ...

Hoje é um novo dia. Em algum momento (1970) e em algum lugar (EUA), determinaram que também hoje, dia 22 de Abril, é o dia da Terra. Cuidam? Celebram? Repensam? Sei lá. Também Dia do Descobrimento do Brasil ... mas e ai?

Hoje sem edição nem transcrição, texto em voz:

video


se experimente mais em: http://www.pegadaecologica.org.br

sexta-feira, 16 de abril de 2010

tambem acontece que ...

um homem filho da puta pode te fazer um bem danado.

terça-feira, 16 de março de 2010

pacote completo

Bom dia.

Bocejo solitário na manhã posterior as frituras do Seu Joel. Cadê o jornal, mulher?Uh lá lá pangaré! Cocô macio é deleite no intestino delgado de quem jamais ingere gado, bando, cardume e derivado dos mesmos. Adubo pra jardim de rico. Não é o caso. Conheces sanitário impecavelmente limpo a lambidas de esquizofrênicos e psicóticos? Aham, sempre refresco no buraco dos outros. Mas calma, esta tudo bem.

E sabes por que? Porque hoje é domingo. E porra, em nossos gloriosos tempos modernos, andar de carrossel é prêmio para abastados. Graças ao senhor!Prestas atenção, bastardo ,sem a, de fato, é o filho da vizinha de cima. Esse sim, rapaz.Ou não. Ou é o ser que deixa a bicicleta enferrujar ao sol da varanda. Mas oh, se liga, o moleque tem futuro.

E saca essa, por aqui rola um tipo de convívio sinceramente irônico, estampado numa galeria endossada por uma redundante e pequenina bagatela, que se paga ao condomínio no final de cada mês. Verdade seja dita, saudoso é o cheiro enjoado do charuto do véio que já se foi tarde! Foi o que disse a cumadre de um conhecido do irmão da manicura filha do padeiro.

Tim tim macacada! Muito em breve vai transbordar a cervejada nos copos turvos dos botecos dessa redondeza. Hoje tem salada de macarrão com ovo colorido de rosa! Tem uns camaradas que preferem azul. Roxo. Branquin' cum amarelo, papai e mamãe, tradicional. Hum, bom demais! A torcida na esbórnia, comemora desde já os orgasmos múltiplos que estão por vir após o sagrado futebol. "Cachorra gostosa", " é goool! Caralho gol!". " Vai se preparando nega, que hoje tem cuzinho pro jantar! Lá lá lá lá"

Portanto companheiro, por hora, contente-se com a sabedoria do pano de prato que diz: ' pranto de crocodilo santifica corações apaixonados '. Agora boa noite, que amanha o batente começa cedo, a chapa é quente, e deus não me deu irmão gêmeo tipo efeito placebo pra mandar no meu lugar. E tenho dito.
... “Passa a chave na porta! ” ... ronco imediato.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Brinde a Seco

Respiração curta no umbilical ansioso pra atar um nó. Mulher sem poesia deseja nó, não fala a palavra laço e não confeita pão de ló. Muitos pensam que sem confetes não se faz um carnaval, que sapato furado é sinônimo de pobreza e que doce na cabeça é sinônimo de clareza. Esses não conhecem você.

A coceira e a compulsão são vizinhas, senão prima-irmas. Ausência de não, que sussurra sobre aquela queda de braço travada com um anão, que é tão pequeno que poderia passar despercebido, não fosse pelo efeito estufa latente-abrasivo encarregado de corroer lentamente todo o organismo. Doideira nossa de cada dia.

Queimem-se os tecidos no baile do desespero! E que as labaredas lambam as canelas finas, peludas e cansadas dos indigentes com nomes de descendentes de ancestrais desconhecidos. Pirem no teto branco que sustenta a moradia alheia enquanto brincamos de gato e rato. Aqui por baixo, entre lençóis vermelhos, percebo ponteiros no pulso nadando num Titanic contemporâneo, sincronizados com a contagem de Tóquio. Enquanto dentro da gaveta garfos se enrolam em bambolês fosforescentes ao ritmo de um tango jamaicano que um índio do Alasca vendeu a um iraquiano irlandês. Porque a gente só faz sentindo na falta de sentido.

Já não existem cavidades sem diamantes. Seria como fabricar xampu sem condicionador. Penso em Polir Pentear e Plantar, e que todas essas palavras começam com P de permanente e que permitem as pessoas proteger os pedantes. Então me resta pedir que pule de peito na gelatina de picanha do polvo prateado que povoa a privada da praia da Pipa que fica em Natal. Sentir o cheiro dos campos de morango e inspirar bastante putaria em nome de uma redenção qualquer. Somos o que somos.

Com esse jeito de jegue sem joelho joga sua jaqueta no meu jardim de inverno e me ama assim e se possível assado. Porque, sabe, o atual coração gelado, foi defumado naquele banho comunitário que um dia você me deu, junto aquelas presidiarias de um tempo ultrapassado, onde todos se lambuzavam no seu gozo adocicado na tentativa de se salvar. Será que hoje a gente entende que pirata sábio deixa o ouro afundar e que já não escuta tic tac na barriga do crocodilo verde? Pirata de outro mar espera o vento fazer a curva pra depois botar a gaita pra tocar. Enquanto isso eu toco você e você me entoca na oca que espero no futuro viver. Porque a teia e o tempo fomentam nosso fermento.

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

O prazer

Ajoelhada pra uma reza não menos comum saboreio a divindade do poder da existencia alegando que minhas habilidades tem de ser entregues ao mundo.

sábado, 23 de janeiro de 2010

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Estilo reticente na mente de quem não mente

Desperto para um por de sol da cor dos cabelos que um dia você quer ter. Antes de ontem foi um suco de laranja despedaçado que me descia como despedida da madeira deles. E delas. Um gafanhoto celeste por ali era emantado, consumido, despido, removido. Sentindo o sentido brotar como feijão no algodão em um experimento de escola. Cheiro de nuvens quando meu esôfago se espatifa por entre as montanhas tão ocas. Por dentro de um par de rins xumbrelados escorrem as paredes do poço dos desejos. Dim glim dim glim dim fazem as moedas corriqueiras sem rumo. Rodopiam com suas duas caras, ou com uma cara e uma coroa. E Haja reverencia ao diabo. Ele é tão teu quando da outra metade, porque você, você não é deus. Você só pode ser a poeira cósmica que permeia tudo entre o que há. Você é só a possibilidade da luz avistada das trevas. E o lar, Ah o lar, o lar é aquele que te queima a pele como água viva fora do sal. Uma gota amiúde se emudece no crepúsculo daquele peito quase desfigurado. Rosa como um quartzo de pedra dissolve a tensão das cansadas maças . Raspo o longo palito de fósforo nos dentes pra que caiam e me deixem de vez. Boquiaberta embasbacada revejo o reflexo num retrato jamais pintado por pincéis. Por ai tem corvos escaldados em avareza. Tem os restos viscerais acinzentados da bonequinha que poucos curtiam segurar as mãos. Caretas. Deformação do improvável. A maioria não sabe que Lucifer é anjo. Agora entendeu? Pois por favor, agora amor, abre a sua boca saudosa pra sugar meus braços dormentes. Ore pelas minhas sementes. Se despede da caveira no meu dedo indicador esquerdo, porque Lugar de cardume é perto das anêmonas. E sobre as costelas, ... as costelas ficam pra uma próxima prosa.

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

depois que a galinha pos

sabe o que eh mais salgado do que lagrimas? cu. um cu eh mais salgado que uma lagrima.sabe ha quanto tempo eu nao choro na sua presenca?... eh uma merda ... pior que sabe.dessa vez foi em silencio. foi sim. eu nao te busquei. voce veio ate mim pelos seus motivos, veio porque quis. veio porque voce tambem precisa de mim. logo voce que nao gosta da ideia de precisar de ninguem, precisa logo, de Mim.
sabe o que aconteceu? dessa vez eu vi voce no mar, tao vento como o invisivel. tava la, de colo pintado, pulsando, me amando como santa que so voce sabe ser.filha da puta. puta filhote. fode que nem cadela no cio pra prarir verdade. fode com calma a proxima vez, eh bom tambem, sabia? sabe ... do que voce ainda nao sabe? existe? sou eu que te coloco ai ou voce sobe porque quer? sobe porque pode?
pra mim, nao existe como voce. nao conheco. nunca vi. nao senti. ninguem se deixou. ninguem se exibiu. me mostra a cara mes que vem? deixa eu ver se as olheiras foram embora? deixa eu ver as novas rugas, me recebe nesse globo ocular pirado. me leva no teu quarto, deixa eu ver tua caligrafia nos vidros. dessa vez, me empresta o corpo voce? pode ser? diz que sim, vai, diz que sim! siiim, ta?
olha, nao espera tanto. eu entendo teu momento, mas nao viaja demais. o fuso horario eh o mesmo mas o tempo tambem passa. qualquer hora que eu chuto o balde. ai vai ser ruim, ai vai ser cu apertado, suado, fetido. vai ser uma foda de homem grisalho com montanha de dinheiro e capsula azul. paga, nao come. cu. que cu.
sem onfensas a cavidade. to de boa. acredita? bendito seja o orgulho. bendita seja aquela dupla que nos pertecnce. e parabens pra voce. parabens pra mim. parabens pra todo a raca que SObrevive ... espera mais uns dias e vou te mostrar o que eh continuidade. beleza? nao esquece, viu?
por hora, bencao-mae.