segunda-feira, 30 de novembro de 2009

purpurina de um outubro passado



uma vez escutei de uma menina um discurso sobre a retina transparente em espiral de um cara tal. suas cordas vocais pareciam entorpecidas. aquela narrativa apresentava o conto mais troncho e mais poético que já ouvi.

pra ela que vivia atras das grades, ver um rabo de cavalo foi suficiente.
o meio de transporte era mais moderno, mas os tempos eram os mesmos.
em cima de 4 rodas havia a esperança de um encontro celestial que trouxesse aqueles ventres pálidos ao sol.
acabou sendo um dia como outro qualquer ate o momento em que o cristal turquesa da memória ressuscitou aquela noite.

" é proibido proibir "

mantra épico, sedução heróica certeira
sem fronteira,
culminou num mergulho profundo na alma da terra.
um pau de canela perfumada misturava as essências
enquanto o mel garantia o deslize dos primeiros passos
em direção a fogueira da luz.

o circulo de prata no polegar esquerdo acompanha a primeira dança,
o manto branco da paz recebe a chuva no peito aberto.
a pelugem dourada com cheiro de madeira queimada floresce.
a larva corre em direção ao balanço e alcança os céus.

voa borboleta
só se você vier comigo.
eu não sei se posso voar
então pega na minha mão.

dizem por ai que ele pegou, mas logo soltou. dizem que leões não podem voar. mas eu já vi uma leoa com asas. Juro. faz tempo não escuto a voz dela. dizem que existe um retrato pendurado dentro do armário dele. dizem que ela tem plantado pimenta e escutado musica clássica. dizem, que no ultimo dia 26 os dois vestiam rosa. eu não sei. dizem tantas coisas. eu só confio nela. e nele. ela não escuto faz um tempo. ele ainda não escutei. quero muito escutar. dizem que ele é um misto de poeta angelical com fera animal. dizem. eu não sei. mas quero muito saber.

6 comentários:

  1. Isso me lembra 2005, quando eu também fazia uso de metáforas e anedotas particulares escondidas para descrever o momento. E acabo de perceber que mal lembro de algumas coisas.
    Metáforas em muito me agradam.

    ResponderExcluir
  2. no meu texto ELA, A OUTRA E EU, quando eu falo do EU (de mim), digo que sou um leão alado!
    e se ELA dessa vez sou EU, te carrego nas asas do meu leão, sem medo, de vermelho. e do alto, quem sabe, a gente possa ver se o que dizem é mesmo verdade, ou então esbarrar noutros leões que voam à procura de nós.

    ResponderExcluir
  3. quanto ao texto, só quem tem muita vida dentro de si para escrever algo assim. eu adorei, ficou lindo.

    ResponderExcluir
  4. "poeta angelical com fera animal"

    Gostei dessa!

    ResponderExcluir
  5. palavras que dançam esperançosamente

    ResponderExcluir

que bom vc deixou um comentario, adorei!